segunda-feira, 14 de abril de 2014

::: Combinações inteligentes: potencialize o poder dos alimentos :::

Se souber fazer as combinações certas, você pode multiplicar os benefícios dos alimentos que coloca no prato. A seguir, algumas parcerias de sucesso já comprovado para extrair proveito máximo de cada refeição.


Laranja + feijão

Não é por acaso que a feijoada completa leva laranja. "A fruta é rica em vitamina C, famosa por facilitar a absorção do ferro do feijão", diz a nutróloga Sandra Fernandes, de Vitória.

A explicação é simples: esse mineral, essencial para manter o sistema imunológico em dia e transportar o oxigênio pela corrente sanguínea, necessita de um meio ácido para ser absorvido.

Outro benefício: como a laranja é também antioxidante, seu consumo evita o processo natural de perda de ferro pelo organismo.

Quantidade recomendada: 1 laranja para cada 5 colheres (sopa) de feijão. 

Brócolis + azeite

Os benefícios desse vegetal são muitos, com destaque para a melhora na coagulação do sangue e neutralização dos radicais livres. Os brócolis fazem parte do grupo de alimentos ricos em vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K). "O que significa que elas dependem da presença de gorduras para ser absorvidas pelo corpo. Por isso, devemos ingerir brócolis na companhia de azeite de oliva extravirgem, óleos vegetais, castanhas ou abacate", recomenda Carlos Basualdo, nutricionista clínico do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Quantidade recomendada: 1 colher (sopa) de azeite para cada 3 buquês de brócolis. Agrião, abóbora, espinafre, repolho e couve também se beneficiam dessa combinação. 

Arroz + feijão

A junção do arroz e do feijão resulta em uma proteína de alto valor biológico, fornecedora de aminoácidos essenciais que não produzimos naturalmente. Ela ajuda na reparação de tecidos e em funções gerais do organismo.

O arroz contribui com a digestão e a absorção do ferro presente no feijão - a versão integral, repleta de fibras, é ainda melhor. "E a dupla tem baixo índice glicêmico, o que significa que a energia é liberada aos poucos na corrente sanguínea e a sensação de saciedade dura mais tempo", diz Carlos.

Quantidade recomendada: 1 colher grande (daquelas próprias para servir) de arroz para cada 1/2 concha de feijão. 

Banana + aveia

A fruta, conhecida por prevenir cãibras, deve ser vista com cautela por quem está de dieta, já que é uma opção calórica e rica em carboidrato.

A boa notícia é que basta salpicar um pouco de aveia para obter benefícios e sua ingestão valer a pena. "O cereal diminui a absorção do carboidrato presente na banana, reduzindo o índice glicêmico", defende a nutróloga Sandra Fernandes.

E há outros ganhos com as fibras solúveis adicionadas à fruta: elas auxiliam na manutenção dos níveis saudáveis de colesterol, no bom funcionamento do intestino e na prevenção do câncer de cólon.

Quantidade recomendada: 2 colheres (sopa) rasas de aveia para cada banana. 


Alho + salada

"Ele é um bom substituto do sal e dos temperos artificiais, que têm altíssimo teor de sódio", observa o nutricionista Carlos. Vale, portanto, em vez de comprar molhos prontos para salada, fazer o seu em casa e, sempre que possível, procurar adicionar alho.

Além de garantir mais sabor, ele auxilia no controle do colesterol e da pressão arterial. Um benefício extra: tem ação antifúngica e, por isso, ainda pode ajudar a preservar os alimentos mais suscetíveis a contaminações, como é o caso de vegetais crus em geral.

Quantidade recomendada: 1 ou 2 dentes de alho para cada prato de sobremesa de salada. 

Salmão + gergelim

"Fontes de ômega 3 e ômega 6, respectivamente, o salmão e o gergelim contêm gorduras essenciais para manter o bom funcionamento do cérebro, reduzir o risco de doenças cardiovasculares e evitar a inflamação do organismo, um dos motivos do sobrepeso", afirma a nutricionista clínica funcional Daniela Jobst, de São Paulo.

O gergelim também é fonte de vitamina E, poderoso antioxidante, e tem a capacidade de aumentar a absorção dos nutrientes presentes no salmão. Na prática, um alimento potencializa a ação do outro.

Quantidade recomendada: 1 colher (chá) de grãos de gergelim para cada posta do peixe. 


Pão integral + peito de peru

É uma ótima opção de lanche light que deixa você satisfeita por muito tempo. Proteínas magras, como o peito de peru, prolongam a sensação de saciedade até quando ingeridas com carboidrato refinado. Imagine, então, com integral.

Segundo Carlos Basualdo, isoladamente, o pão branco leva cerca de uma hora para ser digerido. "Como o processo é rápido, para a fome demorar mais a dar as caras ele precisa ser consumido com uma boa fonte de fibras, uma proteína ou até uma gordura boa", diz.

Melhor ainda dar preferência aos pães integrais com amêndoas, castanhas ou nozes na composição.

Quantidade recomendada: 2 fatias de pão integral com 4 fatias de peito de peru. 

Banana + canela

A banana entra em cena novamente; desta vez, por ser rica em triptofano, aminoácido que produz serotonina, hormônio neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar. "Quando consumida com canela, a liberação dessa substância é potencializada", diz Daniela Jobst. E completa: "A especiaria ainda diminui os níveis de açúcar no sangue, evitando que o organismo armazene-o em forma de gordura".

Também é uma boa pedida no período pré-menstrual, pois reduz a compulsão por doces.

Quantidade recomendada: 1 colher (chá) rasa de canela em pó para cada banana. Uma opção é salpicar a fruta em rodelas com a especiaria e deixar por cerca de um minuto no micro-ondas. 
Fonte: mdemulher.abril.com.br/saude

Ghanem Laboratório
Paixão por sua saúde!
47. 3028 3001


sexta-feira, 4 de abril de 2014

::: Saiba tudo o que acontece nos primeiros 60 minutos de vida do seu bebê :::

Foram nove meses de espera. E uma expectativa que não tem tamanho. Do momento em que ele vem ao mundo até vocês se reencontrarem a sós no quarto, muita coisa se passa na sua cabeça e na sala de parto


O nascimento de um bebê é tão esperado quanto misterioso para as mães de primeira viagem. O que acontece na sala de parto? De que maneira vão examinar a criança? Quando ela vai mamar? São muitas as dúvidas que passam pela cabeça dos pais nos nove meses de espera. E muitas coisas acontecem do momento em que seu filho vem ao mundo até vocês irem para o quarto ou se encontrarem no berçário. Em 60 minutos, vocês vão se ver pela primeira vez, ele se aquecerá com o calor do corpo da mãe e passará por uma série de testes para mostrar que nasceu cheio de saúde. Haja emoção! Para reduzir a ansiedade, uma saída é tentar fazer um filminho na mente, com o roteiro do que deve se passar na hora H. Claro que há pequenas diferenças entre uma maternidade e outra, uma equipe de médicos e outra, mas, se bebê e mãe forem saudáveis, o ritual será muito semelhante.

Isso é regra especialmente no caso do bebê. Um documento do Ministério da Saúde dita os cuidados essenciais que devem ser tomados logo após o nascimento. Já no que se refere à mãe, explicaremos detalhadamente como costuma ser a assistência, mas nada impede que a gestante pergunte a seu obstetra e negocie com ele algumas decisões. As médicas Luciene Miranda Barduco, ginecologista e obstetra que atua em diversas maternidades paulistanas, Karina Zulli, obstetra do Hospital e Maternidade São Luiz, e Alice Deutsch, coordenadora médica da Unidade Neonatal do Hospital Israelita Albert Einstein, todas de São Paulo, contam o que os futuros pais devem esperar.

BEBÊ SOB AVALIAÇÃO

Aquecer e acolher
Imediatamente após o parto, o bebê é enxugado pelas enfermeiras para que não sofra de hipotermia. Ocorre que ele naturalmente perde calor ao sair do útero e o resfriamento pode ser agravado pela temperatura mais baixa na sala de parto – que chega a ser até 15 graus a menos do que no abrigo uterino, onde gira em torno de 37ºC. Em seguida, geralmente o recém-nascido é colocado sobre o corpo da mãe, para ser acolhido e aquecido por ela.

Averiguar a respiração
Normalmente, o bebê começa a respirar nos primeiros 30 segundos após o parto e seu maior incentivo é o “choque térmico”. “Cerca de 90% dos recém-nascidos respiram naturalmente. Quando isso não acontece, fazemos manobras simples e rápidas que geralmente são bem-sucedidas”, explica Alice Deutsch. Trata-se de massagens suaves ou estímulos, como mexer nas pernas e nos braços para incentivá-lo a reagir. A especialista reforça que não se usa mais dar um tapinha no bumbum do bebê para que ele choramingue, sinalizando que está respirando. Aliás, nem toda criança chora ao nascer e isso não indica nenhuma anormalidade – em geral, os bebês choram como resposta ao impacto de um ambiente frio e luminoso.

Cortar o cordão
Enquanto o bebê é enxugado pelas enfermeiras, o obstetra interrompe o fluxo sanguíneo no cordão umbilical, com um equipamento que parece uma pinça, e o corta. Quando esse procedimento ocorre precocemente, o fluxo sanguíneo da mãe para o filho é interrompido antes do que deveria, o que pode gerar deficiência de hemoglobinas – as células vermelhas do sangue – no bebê e posterior anemia. Por outro lado, se o cordão é cortado tardiamente, o recém-nascido corre o risco de ficar com uma sobrecarga dessas células, o que resulta em dificuldades respiratórias e cardíacas. Por isso, a Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que o procedimento ocorra, em recém-nascidos saudáveis, de um a três minutos após o nascimento. Esse é o tempo médio necessário para que a pulsação no cordão cesse. Uma revisão de estudos realizada na Universidade do Sul da Flórida, nos Estados Unidos, sugere que esse é o parâmetro ideal para estabelecer o momento de realizar o corte.

Avaliar 
Assim que estiver seco, aconchegado e com o cordão umbilical cortado, o bebê vai para um berço aquecido, ao lado da cama da mãe, onde é enrolado em lençóis e, em alguns hospitais, recebe uma touca. Bem alojado, ele passa por um exame clínico. O neonatologista observa sua vitalidade nos seguintes aspectos: batimento cardíaco, frequência respiratória, cor da pele, tônus muscular e reflexo. Essa primeira avaliação indicará se o bebê precisa de algum procedimento específico imediato, como reanimação neonatal, ou se está em perfeitas condições. Esse é o chamado Teste de Apgar, que deve ser feito no primeiro minuto de vida do recém-nascido e repetido no quinto. Para cada quesito é atribuída uma nota, de 0 a 2, que apontará se aquela função está perfeita (nota 2) ou deficiente (nota 0). Ao final do exame, os bebês que somaram de 8 a 10 pontos estão com ótima saúde; de 6 a 7, podem necessitar de algum cuidado especial; mas o preocupante mesmo é se a nota obtida estiver abaixo de 5, principalmente no segundo teste. “Geralmente, os bebês se recuperam rápido e, caso demonstrem alguma deficiência no primeiro minuto, já no segundo exame se saem muito bem”, explica Luciene. Se a pontuação baixa persistir, indicando problemas como respiração irregular ou frequência cardíaca abaixo do normal, os médicos vão optar entre diversos métodos de recuperação.

Aspirar o líquido amniótico
Depois de nove meses em meio aquoso, é comum que um pouco de líquido amniótico penetre nas cavidades do rosto do bebê. Para que o líquido não migre para o pulmão nem provoque engasgos e enjoos, os médicos costumam aspirar o excesso por meio de uma sonda. Primeiro, ela entra pela boca e passa pelo esôfago. Depois, faz a limpeza das narinas, para facilitar a respiração. Essa precaução é indispensável, na opinião dos médicos convencionais, para prevenir complicações, como sufocamento e pneumonia. Mas há profissionais que consideram a medida dispensável em alguns casos. “O parto normal provoca a eliminação dessas secreções durante a passagem pelo canal”, afirma a doula Ingrid Lotfi, fundadora da Rede Parto do Princípio, do Rio de Janeiro (RJ). Na sequência, alguns hospitais pesam o bebê em outra sala, sem a interferência da primeira mamada. No entanto, se a mãe fizer questão de amamentar antes, vale conversar com o obstetra. O bebê pode ser acompanhado pelo pai durante a pesagem, mas ele só será medido mais tarde, quando estiver com uma postura corporal mais esticada, visto que os bebês tendem a ficar encolhidos nos primeiros momentos.

Pingar o colírio
Hora de cuidar da visão. Os hospitais são obrigados por lei a pingar uma solução de nitrato de prata a 1% em cada olho do bebê. O colírio evitará a conjuntivite neonatal e outras infecções geradas pelo contato com as secreções maternas – seja no ventre ou na hora do nascimento, ao passar pelo canal vaginal. Esse procedimento é lei porque há indícios de que alguns casos de cegueira posteriores estariam relacionados à falta desse cuidado.

Enfim, amamentar!
É orientação da Organização Mundial da Saúde que o bebê seja amamentado na primeira hora de vida porque, de acordo com uma série de pesquisas, isso reduz os riscos de mortalidade e proporciona anticorpos para que ele enfrente os dias iniciais de sua vida com muita vitalidade. Além disso, nesse momento, as mães costumam estar emocionalmente predispostas a estreitar o vínculo com o filho, fazendo com que se sinta mais encorajado a enfrentar as mudanças que se apresentarão nos dias seguintes. Afinal, para quem passou nove meses protegido e quentinho no útero, o ambiente externo pode parecer ameaçador. Outra vantagem é que, quando o bebê suga o peito, o organismo da mãe fabrica ocitocina, hormônio que auxilia na contração uterina e estimula os dutos das mamas a liberar o colostro – a primeira secreção láctea, cheia de células de defesa. Então, passados os primeiros procedimentos, ele deverá ser colocado junto ao seio da mãe. Em geral, a criança demora de 10 a 20 minutos para encontrar o bico e sugar.


Após a primeira hora, a tendência é que o recém-nascido durma e descanse do esforço que fez para nascer e se adaptar ao meio externo. Os momentos que se seguem são de observação dos sinais vitais, como padrões de respiração, movimentação e frequência cardíaca. Isso pode ser feito no berçário ou no quarto da mãe, dependendo da política do hospital, e o bebê invariavelmente fica em um berço aquecido. O primeiro banho normalmente é dado cerca de seis horas após o parto, quando a pele já se beneficiou do vernix – material gorduroso que a protege ao sair do útero. Mas isso também varia de acordo com o protocolo de cada instituição.Os outros testes importantes, como o do pezinho, são realizados 24 horas após o nascimento.
MÃE SOB CUIDADOS

Durante o trabalho de parto e na primeira hora seguinte, a paciente é monitorada, a cada cinco ou dez minutos, em três aspectos: pressão arterial, frequência cardíaca e padrão respiratório. Se estiverem dentro da normalidade, indicam que a anestesia está interagindo corretamente com o organismo e que a mãe passa bem, sem alterações relevantes. A paciente também permanece com um acesso no braço para receber soro e medicamentos, como analgésicos e anti-inflamatórios, caso seja necessário.
SE O PARTO FOI NORMAL...
Expelir a placenta
Muitas mulheres expulsam naturalmente a placenta após dar à luz. Isso é importante para que o útero contraia e os vasos sanguíneos estanquem. Quando isso não acontece, vêm sintomas como enjoo e desmaio e a mulher corre risco de ter sangramento e infecções. “Apenas 3% das pacientes apresentam essas complicações”, tranquiliza a obstetra Karina. E, mesmo que o descolamento não ocorra a contento, o médico pode induzir contrações com medicamentos para que o corpo a expulse ou recorrer à retirada cirúrgica.

Suturar cortes 
Dependendo da elasticidade vaginal e do tamanho do bebê, há a necessidade de fazer uma incisão na lateral da vagina, para facilitar a saída do recém-nascido sem machucar a mãe. Caso isso tenha ocorrido, o obstetra fecha o corte com um ponto, para fazer o ajuste perineal. Assim, mulher nenhuma fica com a sensação de que teve alterações na região, decorrentes do parto normal.

Higienizar 
O obstetra volta a examinar a paciente para verificar se não sobrou nenhum pedaço da placenta, se a região perineal está saudável e como estão a respiração, o batimento cardíaco e a pressão arterial. Se tudo estiver OK, a mulher é higienizada, com soro fisiológico, e amamenta o bebê nessa primeira hora.
SE FOI CESÁREA...

As etapas executadas após o parto normal se repetem na cesárea com pequenas mudanças:
Placenta – Após retirar o bebê, o obstetra remove manualmente a placenta.

Sutura – Para que o bebê pudesse nascer, o obstetra teve de fazer um corte com 10 a 15 centímetros no púbis, abaixo da marca do biquíni. A sutura é feita em camadas (são sete), com um fio especial. O procedimento pode levar cerca de 20 minutos.

Sonda – Não é raro que a mulher perca o controle da urina, logo após o parto, por conta da anestesia. Para evitar escapes, pelo menos na primeira hora, ela fica com uma sonda para expelir o xixi.

Medicação – Como reação adversa à morfina – componente da anestesia –, algumas mulheres sentem uma forte coceira na pele. Apesar de incômodo, o sintoma não representa riscos e regride facilmente com a administração de um antialérgico.

Monitoramento – É o anestesista quem examina a paciente e a libera para o quarto – geralmente, quando ela já está mexendo bem as pernas (sinal de que o efeito da anestesia está passando). O período de observação pode durar de uma a três horas.

Amamentação
Após a assistência à mãe e o Teste de Apgar com o bebê, o aleitamento está liberado, ainda na primeira hora pós-parto.
EM AMBOS OS CASOS...

Depois de ser liberada da sala de parto, os médicos consideram que a mulher passa bem. Mas ela só poderá beber e comer depois de, aproximadamente, seis horas, mesmo em casos de parto sem anestesia, pois as transformações por que passou podem interferir na digestão. É permitido que ela ande um pouco, para ir ao banheiro, por exemplo, mas o ideal é que caminhe somente depois de se alimentar. Os enfermeiros avaliam seu estado geral periodicamente. Quanto à liberação das visitas, isso varia de acordo com a maternidade e pode ocorrer tanto imediatamente como algumas horas mais tarde.
Por Tatiana Bonumá
revistacrescer.globo.com/

Ghanemzinho
Uma iniciativa do Grupo Ghanem
47. 3028 3001

quarta-feira, 2 de abril de 2014

::: Intoxicação Alimentar :::

O que é Intoxicação alimentar?


A intoxicação alimentar ocorre ao ingerir alimentos ou água contaminados com certos tipos de bactérias, parasitas, vírus ou toxinas.
A maioria dos casos de intoxicação alimentar é provocada por bactérias comuns como Staphylococcus ou Escherichia coli (E. coli).

Causas

A intoxicação alimentar ocorre com mais frequência após o indivíduo comer em piqueniques, refeitórios, grandes eventos sociais ou restaurantes. Uma ou mais pessoas podem ficar doentes.
A intoxicação alimentar é causada por certas bactérias, vírus, parasitas ou toxinas. Entre os tipos de intoxicação alimentar estão:
  • Botulismo (Clostridium botulinum)
  • Enterite associada à Campylobacter
  • Cólera
  • Enterite associada à E. coli
  • Intoxicação por peixe contaminado
  • Listeria
  • Staphylococcus aureus
  • Salmonella
  • Shigella
As bactérias podem ficar na comida de diferentes maneiras:
  • A carne vermelha ou branca pode entrar em contato com as bactérias dos intestinos durante o processamento
  • A água usada durante a produção ou o envio pode conter dejetos animais ou humanos
  • Manejo ou preparação inadequados do alimento
A intoxicação alimentar geralmente ocorre por meio da ingestão de:
  • Qualquer alimento preparado por alguém que não seguiu as técnicas adequadas de higiene das mãos
  • Qualquer alimento preparado com utensílios, tábuas de cortar ou outros itens sujos
  • Laticínios ou alimentos que contêm maionese (como salada de repolho ou de batatas) que foram mantidos fora da geladeira por muito tempo
  • Alimentos congelados ou refrigerados que não foram armazenados na temperatura adequada ou não foram reaquecidos de forma apropriada
  • Peixe cru ou ostra
  • Frutas ou vegetais crus que não foram bem lavados
  • Vegetais crus ou sucos de fruta e laticínios
  • Carne ou ovos mal cozidos
  • Água de poço, rio ou de uma região sem tratamento
Crianças e idosos correm mais risco de serem acometidos por intoxicação alimentar. Você também corre um risco maior, se:
  • Apresentar alguma enfermidade séria, como doença renal ou diabetes
  • Estiver com o sistema imunológico debilitado
  • Estiver viajando por regiões onde haja mais exposição a germes que provocam intoxicação alimentar
Gestantes e mulheres que estiverem amamentando devem ser especialmente cautelosas para evitar a intoxicação alimentar.

Exames

Você será examinado pelo médico em busca de sinais de intoxicação alimentar, como dor no estômago e sinais de que o corpo não tem a quantidade de água e líquidos da qual necessita. Isso é denominado desidratação.
Você também será questionado sobre o que comeu recentemente.
Podem ser feitos exames de sangue, fezes, vômito ou na comida ingerida para determinar a causa dos sintomas. Contudo, pode ser que eles não provem que você está com intoxicação alimentar.
Em casos raros, porém graves, o médico poderá solicitar uma sigmoidoscopia, procedimento no qual um tubo fino é colocado no ânus para verificar a origem do sangramento ou da infecção.
Fonte: minhavida.com.br
Ghanem Laboratório
Paixão por sua saúde!
47. 3028 3001
                         

segunda-feira, 31 de março de 2014

::: 10 dicas para uma alimentação saudável :::

Faça as refeições com calma
Seu organismo precisa deste tempo para processar os alimentos. Grande parte das enzimas digestivas (50%) são secretadas por estímulos sensoriais (visão, olfato, tato, paladar).

Mastigue bem os alimentos
A digestão se inicia na boca com a trituração dos alimentos e ação da salivação. A mastigação deve tornar o alimento pastoso, facilitando o processo digestivo. Quando há ansiedade, o controle da ingestão de alimentos é prejudicado e, muitas vezes, comemos mais. Quando mastigamos bem, automaticamente estamos trabalhando com a ansiedade e promovendo a saciedade fisiológica (verdadeira). Então, não coma em menos de 20 minutos cada refeição.

Líquidos x Refeição
Não ingira líquidos junto com as refeições. O líquido faz com que você não mastigue bem os alimentos e atrapalha o processo digestivo. Procure utilizar líquidos 30 minutos antes ou 60 minutos após as refeições principais. No entanto, se a refeição estiver salgada o ideal é ingerir água durante.

Horários para as refeições
Tenha horário para suas refeições. Ele faz com que nosso organismo mantenha um ritmo, com estabilidade nutricional e hormonal.

Alimente-se a cada 3 horas
Nosso cérebro precisa de aporte constante de glicose (carboidrato). A inconstância em receber esse nutriente, traz redução da nossa disposição, além de proporcionar perda de massa muscular. Além disso, comendo de 3 em 3 horas, a fome e a voracidade se mantêm sob controle, evitando episódios de compulsão alimentar.

Alimentos integrais
Consuma alimentos integrais. Eles contém vários nutrientes que estão na película do grão. São excelentes para manter os níveis de glicemia (açúcar no sangue), têm fibras que servirão de alimento para as bactérias benéficas do intestino, ajudam no controle do colesterol e na saciedade.

Consuma frutas e hortaliças
Ingira verduras, legumes e frutas. Eles são ótimas fontes de fibras, vitaminas e minerais. Contém também fitoquímicos (polifenóis, carotenóides, flavonóides, dentre outros) os quais são excelentes antioxidades (protetores das nossas células)

Evite alimentos refinados
Os alimentos considerados brancos (pão, açúcar, trigo, arroz), além de não conter mais a sua película - onde estava a maioria dos nutrientes - também passam por um processo químico chamado de branqueamento. Neste processo, diversas substâncias químicas são adicionadas, com potencial efeito negativo para nosso organismo. Os alimentos refinados não alimentam nossas bactérias “boas”. Assim, poderá favorecer o crescimento das bactérias patogênicas (ruins) e desequilibrar nossa flora intestinal.

Ingira líquido
A ingestão de líquidos durante o dia faz com que nosso corpo se mantenha bem hidratado e ajude o organismo a transportar os nutrientes que precisamos. O melhor método que temos para verificar nossa hidratação é a cor da urina, a qual deve estar amarela bem clara.

Evite os industrializados
Evite alimentos industrializados, processados e embutidos. Estes produtos contêm inúmeras substâncias químicas que não são reconhecidas pelo nosso organismo. O consumo desses alimentos em quantidade excessiva demanda trabalho do fígado para neutralizar corantes, conservantes, etc, e depois eliminá-los, muitas vezes com auxílio dos rins. Alguns produtos com potencial efeito cancerígeno podem ser recebidos pela ingestão desses produtos ou serem produzidos no processo de desintoxicação. Pode haver comprometimento do sistema imunológico e processos alérgicos devido à ingestão de produtos estranhos ao nosso organismo.

Fonte: http://gnt.globo.com/


Ghanem Laboratório
Paixão por sua saúde!


terça-feira, 25 de março de 2014

::: Higienização do ambiente, utensílios e superfícies :::

O que significa higienização?
A higienização envolve duas etapas:

LIMPEZA
É a etapa em que retiramos o que vemos. É a retirada dos restos de alimentos e sujeiras das superficies com o auxílio de espátulas escovas ou esponjas, para posterior lavagem com água e sabão. Por fim enxágua-se a superfície com água corrente até total retirada do detergente.
Deve-se lavar tudo aquilo que entra em contato com os alimentos crus, para evitar que os microorganismos passem de um alimento para outro (contaminação cruzada).

DESINFECÇÃO
É a etapa em que retiramos o que não vemos. É a retirada dos microorganismos com a ajuda de um produto químico, por exemplo, uma solução clorada.
  • Como preparar uma solução clorada
Em cada 1 litro de água, adicione 10 ml de água sanitária a 2,5%.
No caso de utensílios deixar em imersão ( só usa-la em equipamentos de plástico ou aço inox)
No caso de mesas, pias e bancadas, pulverizar, aguardar 15 minutos e enxaguar.



Ghanem Alimentos
47. 3028 3001



segunda-feira, 24 de março de 2014

::: GHANEM Laboratório é referenciado na FOLHA DE SÃO PAULO desta semana :::

O trabalho de Doutorado da Dra. Viviane Calice da Silva com 44 pacientes internados no Hospital Regional de Joinville referenciaram o Grupo GHANEM nacionalmente. Um Novo e RÁPIDO Teste identifica INSUFICIÊNCIA RENAL por meio da saliva. Parabéns Dra. e equipe GHANEM, em especial ao nosso super bioquímico Luiz Gustavo de Moraes. 
http://goo.gl/jXS2rk

Lembramos que "a falência renal aguda (diferentemente da crônica, que não tem cura) é reversível em 80% dos casos quando tratada imediatamente. A terapia inclui medicamentos, hidratação profunda com soro e diálise peritonial", afirma o médico Dr. Roberto Pecoits Filho, professor da PUCPR.


Ghanem Laboratório
Paixão por sua saúde!
47. 3028 3001


quarta-feira, 19 de março de 2014

::: Como está a qualidade do ar no seu ambiente de trabalho? :::

Você sabe como está a qualidade do ar na sua casa ou ambiente de trabalho?
Atualmente, estima-se que passamos cerca de 90% do nosso tempo em ambientes fechados. Grande responsável por desencadear processos alérgicos e doenças do sistema respiratório, a poluição do ar interno é uma preocupação crescente.



A comunidade médica internacional entende que respirar um ar impuro é altamente prejudicial à saúde e, dependendo da concentração dos poluentes, toda a população pode apresentar sintomas como tosse seca, cansaço, ardor nos olhos, nariz e garganta. As pessoas de grupos sensíveis como crianças, idosos e pessoas com doenças respiratórias e cardíacas costumam apresentar sintomas ainda mais graves. 


Ghanem Ambiental controla a qualidade do ar dos ambientes climatizados a fim de determinar possíveis fontes de contaminação, seguindo os padrões estabelecidos pela legislação vigente.
Os resultados dos ensaios permitem o fornecimento de recomendações para, se necessário, buscar a diminuição dos efeitos nocivos desta poluição. 



Saiba o que analisamos:

  • Análise microbiológica - Fungos e Leveduras (quantitativo e qualitativo);
  • Análise bacteriológica do ar;
  • Análise bacteriológica da bandeja de condensado;
  • Análise de Poeira Total (aerodispersóides);
  • Temperatura do ar;
  • Umidade do ar;
  • Velocidade do ar;
  • CO2 (dióxido de carbono);
  • CO (monóxido de carbono);
  • Legionella sp.

Ghanem Laboratório
Paixão por sua saúde!
47. 3028 3001