sexta-feira, 14 de novembro de 2014

O Instituto de Diabetes de Joinville (IDJ) e o Grupo GHANEM desenvolveram ações também com crianças no "Novembro Azul"

O Ghanemzinho foi "palco" para receber os alunos da 5a. e 7a. séries vespertinas da E.E.B. Dom Pio Freitas, do Floresta/Joinville, SC. A escola é beneficiada pelo programa DIABETES NA ESCOLA, criado e coordenado pelo IDJ desde 2009.

O índice de crianças que apresentam sintomas de diabetes vem aumentando a cada dia. Isto se deve em muito à grande quantidade produtos industrializados e ricos em açúcar, como doces, biscoitos recheados, chocolates, refrigerantes e também aos carboidratos das comidas (hambúrgueres, pizzas e salgadinhos).

Como se sabe, o diabetes é uma enfermidade que o organismo tem ausência ou deficiência da produção de insulina, produzida pelo pâncreas, órgão responsável por metabolizar os açúcares que são ingeridos durante nossa alimentação. Quando existe pouca insulina, o que ocorre é o aumento da glicemia no sangue, o que pode trazer consequências graves.

Devido ao excesso da ingestão de açúcar e carboidratos, somado a isso as facilidades do mundo atual, que as crianças ao invés de irem correr e brincar na rua, ficam horas em frente a uma telinha jogando videogame; o crescimento da obesidade infantil também aumenta as taxas glicêmicas, contribuindo para o aparecimento do diabetes entre os pequenos.
Então, pais devem ficar atentos, ou mesmo as crianças, buscando uma alimentação mais saudável e alguma prática física que os levem a queimar calorias. Mas não adianta querer proibir o consumo de alimentos e bebidas extremamente calóricos. O importante é que a criança perceba que é preciso ter equilíbrio, ou seja, eventualmente pode-se comer um chocolate ou uma pizza, mas a base da alimentação deve ser mais balanceada, com muitas verduras, legumes e frutas na dieta.


Esta ação acontecerá todas as quintas feiras de novembro no Ghanemzinho. 

Confira as fotos do evento


















terça-feira, 21 de outubro de 2014

Desenvolvimento Científico do Ghanem Laboratório

O desenvolvimento científico do Ghanem Laboratório tem mais uma importante etapa nas próximas semanas. Estaremos participando ativamente de dois importantes eventos científicos da área clínica nas próximas semanas e com apresentações de trabalhos por profissionais da nossa organização:

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE MICROBIOLOGIA CLÍNICA

É o principal  evento da área de microbiologia nesse ano no país. Será realizado entre os dias 22 e 24 de outubro, em João Pessoa/PB. Estaremos sendo representados nesse importante evento pela nossa microbiologista, Gisele Dall Cortivo, que apresentará o trabalho Avaliação Fenotípica e Genotípica das Infecções Causadas por A. baumannii Resistente aos Carbapenêmicos em Hospital de Médio Porte no Sul do Brasil”.

CONGRESSO BRASILEIRO DE HEMATOLOGIA, HEMOTERAPIA E TERAPIA CELULAR

É o principal  e mais tradicional evento da área de hematologia no país. Será realizado entre os dias 06 e 09 de novembro próximo, em Florianópolis/SC. Estaremos sendo representados nesse evento pela bioquímica Janaína Lauxen, que apresentará o trabalho “AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO ANALISADOR HEMATOLÓGICO CELL DYN RUBY BASEADA EM IMPACTO NA DECISÃO MÉDICA
POR MEIO DE MÉTRICA SIGMA”.



É um grande orgulho para a nossa organização a divulgação de mais dois trabalhos científicos em eventos de tamanha relevância no cenário nacional. Com mais esses trabalhos, consolidamos 7 trabalhos científicos em 2014 sendo apresentados em eventos de elevado impacto na nossa área de atuação.
E, para 2015, a expectativa é de ainda maior desenvolvimento científico! 


quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Homocisteína

O que é?

É um aminoácido produzido pelo corpo. Altos níveis de homocisteína no sangue foram vinculados a um aumento do risco de doença coronariana, AVC e doença vascular periférica.

Como uma grande quantidade de homocisteína pode ser prejudicial?

Altos níveis de homocisteína no sangue podem danificar o revestimento das artérias. Além disso, níveis elevados de homocisteína podem favorecer o surgimento de coágulo de sangue, o que pode aumentar o risco de bloqueios dos vasos sanguíneos. Um coágulo dentro do vaso sanguíneo é denominado trombo. O trombo pode circular pela corrente sanguínea e ficar preso nos pulmões (chamada de embolia pulmonar), no cérebro (que pode causar um acidente vascular cerebral - AVC) ou no coração (o que pode causar um ataque cardíaco.) Pessoas que têm níveis muito altos de homocisteína têm risco elevado para doença arterial coronariana.

O que causa alto nível de homocisteína no sangue?

A homocisteína é normalmente transformada em outros aminoácidos para utilização pelo corpo. Se o nível de homocisteína é muito alto, você pode não estar recebendo bastante vitaminas B para ajudar seu corpo a usar a homocisteína.

A maioria das pessoas que têm altos níveis de homocisteína não possuem, em suas dietas, quantidades suficientes de folato (também chamado de ácido fólico), vitamina B6 ou vitamina B12. Consumir alimentos com estas vitaminas muitas vezes ajuda a retornar o nível de homocisteína ao normal. Outras causas possíveis de uma grande quantidade de homocisteína incluem baixos níveis de hormônio da tiróide, doença renal, psoríase, alguns medicamentos ou um fator hereditário.
Se o nível de homocisteína é muito alto, é preciso baixá-lo, especialmente se há bloqueios dos vasos sanguíneos. Se o paciente não tem outros fatores de risco para doença cardiovascular e não tem aterosclerose, o médico pode adotar uma abordagem de espera vigilante e monitorar o nível de homocisteína.
Embora nenhum estudo tenha mostrado que a redução dos níveis de homocisteína ajuda a reduzir os acidentes vasculares cerebrais, ataques cardíacos e outras condições cardiovasculares, é importante manter um menor nível baixo de homocisteína para reduzir riscos de doença cardíaca.
Se ajustar a dieta não é suficiente para baixar a homocisteína, o médico pode sugerir que o paciente tome um suplemento de ácido fólico. Também pode ser preciso tomar suplemento de vitamina B-6 e B-12.
Se há necessidade de vitamina B-6 em uma dieta, os alimentos como cereais, batatas, bananas, grão de bico e frango são boas fontes. Os produtos lácteos, a carne bovina e alguns tipos de peixe são boas fontes de vitamina B-12.



Como o nível de homocisteína é medido?

A homocisteína é medida a partir de um simples exame de sangue, que não demanda grandes preparativos para ser realizado.



Como reduzir uma taxa elevada de homocisteína?

Comer mais frutas e vegetais (especialmente verduras) pode ajudar a diminuir o nível de homocisteína,
Aumentar a quantidade de ácido fólico de uma dieta. Boas fontes de ácido fólico incluem cereais, grãos, lentilha, aspargo, espinafre e feijão.



Exames

Se o paciente começar a tomar suplementos de ácido fólico ou vitamina B, ele deve ter o nível de homocisteína reverificados após 08 semanas. Se o nível de homocisteína permanecer elevado, o médico poderá tentar aumentar a dose dos suplementos.

Poderão ser realizados outros exames para descobrir se o paciente é portador de alguma doença que mantenha as taxas de homocisteína elevadas.

Se a pessoa já teve em algum outro período níveis altos de homocisteína, ela deverá ser verificada regularmente (de 02 a 03 vezes por ano)



Fonte: MD Consult: Homocysteine: Patient Education

Ghanem Laboratório e Saúde
47. 3028 3001

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Participação dos profissionais do Ghanem Laboratório no 48º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial, entre 08 e 12 de setembro, no RJ.


Cursos e palestras ministrados por profissionais do 
Ghanem Laboratório:

Data: 08/09/2014 - Local: SALA 8 - Horário: 09:00 às 18:00
·         CURSO: “Indicadores laboratoriais: abordagem prática baseada em experiência nacional e internacional e nas resoluções da ANS”
Palestra: “INDICADORES NA GESTÃO ESTRATÉGICA”
Palestrante: FERNANDO BERLITZ – Gestor Técnico/Ghanem Laboratório

Data: 11/09/2014 - Local: SALA 6 - Horário: 09:00 às 10:45
·         MESA REDONDA: “ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EM LABORATÓRIOS CLÍNICOS”
Coordenador: FERNANDO BERLITZ
Palestra: “DEFINIÇÃO DE FLUXO DE TRABALHO”
Palestrante: FERNANDO BERLITZ – Gestor Técnico/Ghanem Laboratório

Data: 11/09/2014 - Local: SALA 4 - Horário: 14:30 às 16:15
·         MESA REDONDA: “NOVAS ABORDAGENS PARA O CONTROLE DA QUALIDADE ANALÍTICA”
Coordenadora: MARIA ELIZABETE MENDES (SP)
Palestra: “CONTROLE DA QUALIDADE E SEIS SIGMA”
Palestrante: FERNANDO BERLITZ – Gestor Técnico/Ghanem Laboratório

Data: 12/09/2014 - Local: SALA 7 - Horário: 09:00 às 10:45
·         MESA REDONDA: “OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ANALÍTICO”
Coordenador: FERNANDO BERLITZ
Palestra: “REDESENHO DE PROCESSOS UTILIZANDO LEAN SIX SIGMA”
Palestrante: FERNANDO BERLITZ – Gestor Técnico/Ghanem Laboratório

Data: 10/09/2014 - Local: SALA A - Horário: 16H30
·         WORKSHOP ORTHO CLINICAL DIAGNOSTICS (J&J)
Palestra: "CONSTRUINDO O FUTURO … "
Relato do Case da Gestão Estratégica do GHANEM Laboratório Clínico, de Santa Catarina, à criação de seu futuro.
Os temas - Intraempreendedorismo, Desenvolvimento Humano, Relacionamento, Hipersegmentação, Sustentabilidade, Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva - serão abordados nesta oportunidade.
Palestrante: OMAR AMIN GHANEM FILHO – Diretor/Ghanem Laboratório


Apresentação Oral de trabalhos científicos do Ghanem Laboratório:
Data: 09/09/2014 - Local: SALA 8 - Horário: 15:30 às 16:15
·         Trabalho: 192 - “REDESENHANDO E OTIMIZANDO OS PROCESSOS TÉCNICOS COM INICIATIVAS DE BPM E LEAN: CRIANDO NOVAS SOLUÇÕES PARA ANTIGOS DESAFIOS QUE AFETAM A PRODUTIVIDADE E O COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTO E TECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO”.
Autores: FERNANDO BERLITZ, LEONARDO CABRAL, ROBSON GANSKE, KETRIN MULLER.


Data: 09/09/2014 - Local: SALA 8 - Horário: 17:00 às 18:00
·         Trabalho: 287 -“ESTUDANDO E DESAFIANDO OS PARADIGMAS DA GESTÃO DE RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS NA BIOQUÍMICA: HARMONIZANDO AS DIMENSÕES SOCIOAMBIENTAIS E FINANCEIRAS COM FOCO EM PROCESSOS SUSTENTÁVEIS E RESULTADOS PARA AS DIFERENTRES PARTES INTERESSADAS”.
Autores: FERNANDO BERLITZ, LEONARDO CABRAL, MARLI BLOEMER, SIMONI BORGHESON, ROBSON GANSKE.


Apresentação de trabalhos científicos (pôsteres) do Ghanem Laboratório:
Data: 09 a 12 de Setembro/2014 – Área de Temas Livre – Centro de Convenções SulAmérica

·         Trabalho:86 - “VALIDAÇÃO DE ENSAIOS DE PERFIL LIPÍDICO NO EQUIPAMENTO VITROS 5600 BASEADA EM IMPACTO NA DECISÃO MÉDICA VIA MÉTRICA-SIGMA”.
Autores: BERLITZ, F. A.; CABRAL, L. N. 

·         Trabalho:192 – “REDESENHANDO E OTIMIZANDO OS PROCESSOS TÉCNICOS COM INICIATIVAS DE BPM E LEAN: CRIANDO NOVAS SOLUÇÕES PARA ANTIGOS DESAFIOS QUE AFETAM A PRODUTIVIDADE E O COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTO E TECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO”.
Autores: BERLITZ, F. A.; CABRAL, L. N.; MULLER, K. G.; GANSKE, R. 

·         Trabalho:200 – “AVALIAÇÃO DOS VALORES DE NORMALIDADE DA CONTAGEM DE RETICULÓCITOS UTILIZANDO O ANALISADOR HEMATOLÓGICO CELL-DYN 3500”.
Autores: MULLER, K. G.; BATSCHAUER, A. P. B.; SILVA, P. H.; HENNEBERG, R.; FRIGERI, H. R. 

·         Trabalho:284 –“PREVALÊNCIA DE HIPOVITAMINOSE D EM POPULAÇÃO DO NORTE CATARINENSE”.
Autores:BERLITZ, F. A.; CABRAL, L. N.; GANSKE, R. 


·         Trabalho:287 –“ESTUDANDO E DESAFIANDO OS PARADIGMAS DA GESTÃO DE RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS NA BIOQUÍMICA: HARMONIZANDO AS DIMENSÕES SOCIOAMBIENTAIS E FINANCEIRAS COM FOCO EM PROCESSOS SUSTENTÁVEIS E RESULTADOS PARA AS DIFERENTES PARTES INTERESSADAS”.
Autores:BERLITZ, F. A.; CABRAL, L. N.; BLOEMER, M. C. M.; BORGHESON, S.; GANSKE, R. 

  




terça-feira, 26 de agosto de 2014

:: Vitaminas do complexo B são essenciais para o sistema neurológico ::

Esses nutrientes auxiliam o organismo a utilizar a glicose, ácidos graxos e aminoácidos com eficiência


As vitaminas do complexo B são lipossolúveis e não são produzidas em quantidades suficientes pelo corpo humano, por isso devem ser adquiridas por meio da alimentação. As vitaminas B1, B2, B3, B5 e B6 contam com funções similares e necessitam uma da outra para que realizem suas funções no organismo. Já as vitaminas B12 e a B9 não necessitam da presença das outras. Veja os benefícios, problemas causados pela falta e as fontes de cada vitamina do complexo B. 


Vitamina B1 (Tiamina)

Benefícios: A vitamina B1 age no metabolismo da glicose, dos ácidos graxos e aminoácidos, ou seja, ajuda o organismo a utilizar essas substâncias com eficiência. Além disso, ela também desempenha um papel importante na formação da bainha de mielina, que fica em torno das fibras nervosas e permite mensagens entre os nervos, dentre as vitaminas do complexo B a mais importante para o sistema nervoso é a vitamina B12. 
Problemas causados pela falta: A falta de vitamina B1 pode causar fraqueza muscular, falta de energia, diminuição da memória e depressão. A carência extrema deste nutriente pode causar a doença beribéri que causa uma neuropatia periférica, formigamento nas mãos, fraqueza nas pernas, dificuldade para caminhar e alterar a sensibilidade da pele. Alcoólatras correm maior risco de desenvolver a carência de vitamina B1 e em consequência disso ter uma demência que causa confusão mental, dificuldade de raciocínio, memória e pode fazer até que a pessoa entre em coma. 
Fontes: As principais fontes de vitamina B1 são carnes, leites, ovos, legumes e cereais integrais e leguminosas como feijão e grão de bico. 

Vitamina B2 (Riboflavina)

Benefícios: A vitamina B2 possui forte ação antioxidante e por isso age combatendo os radicais livres. Além disso, ela age no metabolismo da glicose, dos ácidos graxos e aminoácidos, ou seja, ajuda o organismo a utilizar essas substâncias com eficiência. Além disso, ela também desempenha um papel importante na formação da bainha de mielina, que fica em torno das fibras nervosas e permite mensagens entre os nervos, dentre as vitaminas do complexo B a mais importante para o sistema nervoso é a vitamina B12. 
Problemas causados pela falta: A deficiência de vitamina B2 é rara, mas vegetarianos, alcoólatras, crianças, gestantes e idosos estão mais vulneráveis ao problema. A falta deste nutriente pode causar tontura, vertigem, dermatite seborreica, inflamação nos lábios e língua e coceira nos olhos. 
Fontes: As principais fontes de vitamina B2 são carnes, leites, ovos, legumes, verduras, especialmente o brócolis, cereais integrais, leguminosas, como ervilhas, algumas oleaginosas, como amendoim, castanhas e nozes, e abacate.  

Vitamina B3 (Niacina)

Benefícios: A vitamina B3 possui forte ação antioxidante e por isso age combatendo os radicais livres. Além disso, ela age no metabolismo da glicose, dos ácidos graxos e aminoácidos, ou seja, ajuda o organismo a utilizar essas substâncias com eficiência. Além disso, ela também desempenha um papel importante na formação da bainha de mielina, que fica em torno das fibras nervosas e permite mensagens entre os nervos, dentre as vitaminas do complexo B a mais importante para o sistema nervoso é a vitamina B12. 
Problemas causados pela falta: A falta de vitamina B3 pode causar insônia, cansaço, irritabilidade, manchas na pele, depressão e uma doença chamada pelagra que causa diarreia, inflamação na pele e confusão mental. Mulheres que utilizam anticoncepcionais excretam mais a vitamina B3 pela urina, mas normalmente a própria alimentação já compensa essa falta. Pessoas em tratamento de tuberculose podem precisar do suplemento do nutriente, mas essa necessidade só será determinada pelo médico ou nutricionista. O excesso de vitamina B3 não é bom para o organismo, pois pode afetar o fígado, por isso não ingira suplementos do nutriente sem orientação. 
Fontes: As principais fontes são carnes, leites, ovos. Algumas oleaginosas, como amendoim e castanha do pará, frutas secas, tomate e cenoura. 

Vitamina B5 (Ácido Pantotênico)

Benefícios: A vitamina B5 age no metabolismo da glicose, dos ácidos graxos e aminoácidos, ou seja, ajuda o organismo a utilizar essas substâncias com eficiência. Além disso, ela também desempenha um papel importante na formação da bainha de mielina, que fica em torno das fibras nervosas e permite mensagens entre os nervos, dentre as vitaminas do complexo B a mais importante para o sistema nervoso é a vitamina B12. 
Este nutriente também auxilia na produção de hormônios da glândula suprarrenal e ajuda o fígado a detoxificar o álcool. 
Problemas causados pela falta: A deficiência de vitamina B5 pode causar fadiga, formigamento nas mãos e pés, dores musculares, irritabilidade, depressão, distúrbios de sono, retardo de crescimento, queda de cabelo, envelhecimento precoce, artrite, alergias e estresse. 
Fontes: As principais fontes de vitamina B5 são ovos, leite, carnes, leguminosas, como ervilhas e feijão, cogumelos e gérmen de trigo. 

Vitamina B6 (piridoxina)

Benefícios: A vitamina B6 é importante para a produção de glóbulos vermelhos. Ela também age no metabolismo da glicose, dos ácidos graxos e aminoácidos, ou seja, ajuda o organismo a utilizar essas substâncias com eficiência. Além disso, o nutriente desempenha um papel importante na formação da bainha de mielina, que fica em torno das fibras nervosas e permite mensagens entre os nervos, dentre as vitaminas do complexo B a mais importante para o sistema nervoso é a vitamina B12. A vitamina B6 permite a síntese de glutationa, principal antioxidante do organismo.
Problemas causados pela falta: Níveis inadequados de vitamina B6 podem comprometer a conversão de glutamato, neurotransmissor que excita o tório, em GABA, neurotransmissor relaxante. Consequentemente, o excesso de glutamato está associado à hiperexcitação neuronal, e até mesmo à morte neuronal. A deficiência do nutriente pode causar convulsões em crianças pequenas, anemia, dermatite, lesões nervosas, confusão mental em adultos, dormência e formigamento nas mãos e pés. A anemia também pode acontecer devido à falta de vitamina B6. 
O excesso do consumo de álcool também pode diminuir os níveis de vitamina B6, assim como o uso de anticoncepcionais. Contudo, a alimentação pode repor a falta do nutriente e é importante consultar um médico ou nutricionista para saber se há necessidade do consumo do suplemento. 
Fontes: As melhores fontes de vitamina B6 são peixes, como atum, salmão, truta e arenque, nozes, amendoins, avelãs, semente de girassol, gérmen de trigo, levedo de cerveja, milho e cereais integrais, leguminosas, couve-flor, banana, melão e uvas passas. 

Vitamina B7 (biotina)

Benefícios: Assim como outras vitaminas do complexo B, a biotina está relacionado ao metabolismo das gorduras, carboidratos e proteínas. Ela também é essencial para a saúde da pele, unhas e cabelos. 
Problemas causados pela falta: A deficiência de biotina é extremamente incomum porque este nutriente está muito presente na alimentação. Contudo, quando acontece os sintomas da ausência do nutriente são: fraqueza nas unhas e cabelos, calvície, pele seca e escamosa e vermelhidão em volta do nariz e da boca. Outras complicações que podem ocorrer são conjuntivite, dermatite exfoliativa, dores musculares e lassidão, acompanhada de aumento da glicemia. 
Fontes: As principais fontes de biotina são o amendoim, as nozes, o tomate, a gema do ovo, a cebola, a cenoura, alface, couve-flor e amêndoa. A carne vermelha, o leite, as frutas e as sementes também contam com o nutriente. 

Vitamina B9 (ácido fólico)

Benefícios: A vitamina B9 não depende de outras vitaminas do complexo B para surtir efeito positivos. Ela participa da manutenção do sistema imunológico, circulatório e nervoso e reduz o risco de infarto, câncer de mama e de cólon, aterosclerose, promove a saúde dos cabelos e da pele, reforça o sistema imunológico e o sistema nervoso central. Para gestantes, o ácido fólico é importante, pois ajuda no fechamento do tubo neural do feto. O suplemento de vitamina B9 costuma ser orientado para gestantes e só pode ser ingerido em outros casos após orientação médica, isto porque o excesso as substância pode favorecer alguns tipos de câncer. 
Problemas causados pela falta: No caso de gestantes, a falta de vitamina B9 pode causar má formação no feto. A falta do nutriente também pode causar anemia megaloblástica, fadiga, lesões nas mucosas, insuficiência respiratória, palidez, níveis elevados do aminoácido homocisteína, podendo causar doenças cardiovasculares. 
Fontes: As principais fontes de vitamina B9 são fígado, vegetais de folhas verdes escuras, como brócolis, couve e espinafre, grãos, ervilha, lentilha, feijão, laranja e ovos. 

Vitamina B12

Benefícios: vitamina B12 é importante para a formação das células vermelhas do sangue. Além disso, ela é importante para desenvolvimento e manutenção das funções do sistema nervoso. Sem essa vitamina, a mielina que recobre os nervos, como uma capa de proteção, sofre um desgaste que recebe o nome de desmielinização, processo que ocorre tanto em neurônios de nervos periféricos, quanto naqueles da substância branca do cérebro. 
Uma pesquisa realizada pelo Linus Pauling Institute of Oregon State University dos Estados Unidos descobriu que a ingestão de vitamina B12 reduziu o risco de quebras nos cromossomos levando a danos no DNA. Sofrer danos no DNA é um dos fatores de risco para o câncer. 
Problemas causados pela falta: A ausência da substância leva a lesões irreversíveis no sistema nervoso, devido à morte dos neurônios. Isso irá provocar neuropatias que tem como sintomas mais comuns o formigamento nas pernas, queimação na sola dos pés, dificuldade para andar e incontinência urinária. 
A ausência de vitamina B12 também aumenta o risco da pessoas desenvolver depressão. A anemia megaloblástica também pode ocorrer devido à falta desta vitamina. Alguns outros sintomas da ausência da vitamina B12 no organismo são: 
  • Fadiga, falta de energia ou tontura ao se levantar ou fazer esforço
  • Falta de concentração
  • Falhas na memória
  • Paranoia e alucinações
  • Pele amarelada (icterícia)
  • Língua inchada e inflamada
Fontes: A vitamina B12 está presente em boas quantidades nos alimentos de origem animal, especialmente nos peixes de águas frias e profundas, como salmão, truta e atum, fígado, carne de porco, leite e derivados, ovos e ostras. 


Outras substâncias

Algumas outras substâncias a princípio eram consideradas vitaminas do complexo B, como a B11, B13, B14, B15, B16 e B17, mas atualmente a ciência já descobriu que na realidade elas não são vitaminas. 
Uso do suplemento
As chances de carência de vitaminas do complexo B são muito baixas porque esses nutrientes estão presentes em diversos alimentos. Como boa parte destas vitaminas está em alimentos de origem animal, vegetarianos e veganos correm maior risco de ter deficiência das vitaminas do complexo B. 
Alcoólatras também podem sofrer com a deficiência porque a ingestão de álcool diminui a absorção de vitaminas do complexo B. Pacientes com câncer podem precisar de maiores quantidades de vitaminas do complexo B, mas para o uso do suplemento é necessária a orientação médica, até porque algumas dessas vitaminas podem piorar o câncer se ingeridas em excesso. Quem passou por uma cirurgia bariátrica também pode precisar do suplemento. É importante ressaltar que antes de ingerir suplementos de vitaminas do complexo B é preciso conversar com o médico ou nutricionista sobre o uso. 
Riscos do excesso
O excesso de vitaminas do complexo B ocorre por meio da suplementação. Normalmente não há grandes complicações, pois a quantidade extra é eliminada pela urina. Porém, o excesso de o excesso de vitamina B6 pode causar um quadro de neurite. Já grandes quantidades de vitamina B3 pode prejudicar o fígado, enquanto a vitamina B9 em excesso pode levar a problemas hormonais e favorecer alguns tipos de câncer. 

Fontes consultadas:

Nutrólogo Roberto Navarro 

Nutricionista Karina Valentim da PB Consultoria em Nutrição 
Nutricionista Rita de Cássia Leite Novais, da empresa Consultoria Alimentar. 
Nutróloga e médica ortomolecular Tamara Mazaracki  

Ghanem Laboratório
Paixão por sua saúde!
47. 3028 3001


terça-feira, 19 de agosto de 2014

::: Avaliação de Risco Fetal :::

A "Avaliação de Risco Fetal" detecta a possibilidade maior ou menor da futura mamãe desenvolver um bebê com anomalias, o que traz ao pré natal tranquilidade tanto para os pais quanto para o médico. 
A avaliação consiste na análise de marcadores bioquímicos maternos (alfa-fetoproteína, beta-HCG livre e estriol livre) em associação com os dados do Ultra-som morfológico do 1º trimestre (medida de translucência nucal, presença do osso nasal e fluxo sanguíneo do ducto venoso) em um estudo realizado por um software, que prediz a probabilidade matemática do recém nascido apresentar más formações congênitas e anomalias cromossômicas investigadas (Síndromes de Down, de Edwards, de Patau, de Turner e Defeitos abertos do tubo neural - DNT). Desta maneira é possível direcionar o pré natal da gestante de alto risco para a realização de exames diagnósticos complementares. 



Tipos de Avaliação de Risco Fetal: 
1. Teste Combinado do 1º Trimestre 
2. Teste Triplo do 2º Trimestre 
3. Teste Integrado dos 1º e 2º Trimestres  

-Avaliação pode ser indicada para gestantes de todas as idades; - Para gestações de fetos múltiplos e portadoras de Diabetes Mellitus tipo I não é possível o cálculo do risco fetal; 
- Para todos os testes, o preenchimento do questionário e a entrega da cópia do ultra-som são obrigatórios. 

Agendamento e informações sobre o exame: 47 3028.3001 e WhatsApp 47 8458.1299

Ghanem Laboratório
Paixão por sua saúde!
47. 3028 3001

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

::Dieta contra o estresse: conheça os alimentos que afastam o cansaço::

Quando a fadiga chega, muitos dos nutrientes que botam nosso corpo para funcionar vão embora. Se você leva uma vida estressante, veja quais itens devem entrar no seu cardápio e quais devem passar longe do prato.



Cardápio contra a fadiga

Espante o desânimo de manhã com uma tigela de cereais e leite. Os primeiros fornecem boas doses de energia e ajudam o intestino a funcionar melhor. Já o leite e seus derivados possuem um aminoácido, o triptofano, que funciona como matéria-prima de outra substância, a serotonina, que controla o humor. O ferro das carnes vermelhas participa do transporte de oxigênio nas células. Sem ele vêm o cansaço, o desânimo e a indisposição. Acrescente também o selênio das castanhas-do-pará e a vitamina C das frutas cítricas ao menu. Eles têm ação antioxidante e varrem para longe os efeitos nefastos do cansaço. Se quiser manter o pique, leve para a mesa as vitaminas do complexo B. Sua falta está relacionada à apatia.
Outros alimentos antiestresse
Alface
Controla o nervosismo.

Queijo e uva
Contra a cara feia, formam uma dupla e tanto - ele é rico em triptofano e ela fornece carboidratos.

Maçã e maracujá
Ajudam a combater a ansiedade.

Abacate
Também é uma fonte de triptofano, que participa da produção da serotonina, uma aliada do bom humor.

Pimentão
Contém vitamina C, bem-vinda contra o estresse.


O que evitar

A palavra de ordem é relaxar e convencer o corpo de que os perigos para os quais ele se preparou não existem. Há alimentos que, nessa hora, só atrapalham. Evite o café e o chocolate, que são ricos em cafeína e estimulam o sistema nervoso central. Por fim, fique bem distante dos excessos de sal, gordura e açúcar.
Fonte: www.mdemulher.abril.com.br
Ghanem Laboratório Clínico
Paixão por sua saúde!
47. 3028 3001